domingo, 19 de maio de 2019

Segurança pública terá manifestação na próxima terça-feira, 21, em Brasília



Profissionais da Segurança vão a Brasília em ato contra reforma da Previdência

Por Luiz Phillipe Araújo
https://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/profissionais-da-seguranca-vao-a-brasilia-em-ato-contra-reforma-da-previdencia-185139/

Categoria afirma que distinção entre policiais civis e militares “não faz sentido”

Foto: reprodução

Acompanhando movimento nacional, representantes de categorias ligadas à Segurança Pública de carreiras civis se preparam para um ato contra a reforma da previdência. A manifestação será realizada na próxima terça-feira, 21, em Brasília.
Segundo a categoria, o governo federal optou por definir as regras de aposentadoria e pensão de policiais civis e federais, policiais rodoviários federais, de agentes penitenciários e socioeducativos e daqueles que desempenham atividades de risco diferente de policiais militares e bombeiros militares que seguirão as regras da reforma das Forças Armadas.
“Isso não faz sentido. As regras precisam ser as mesmas, já que a natureza do trabalho e os riscos são os mesmos”, afirma o presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Estado de Goiás (SINPEF-GO), Francisco José da Silva Júnior.
As categorias também defendem a necessidade de aposentadoria policial com 55 anos de idade para homens e 52 anos para mulheres, com regras de transição equilibradas.
“O policial federal, por exemplo, exerce atividade exclusiva e  durante 24 horas diárias. É mentalmente e fisicamente imprudente que se coloque um servidor policial para trabalhar contra o crime depois de 25, 30 anos de trabalho”, analisa o presidente do sindicato.
Pautas
As pautas principais dos servidores da segurança pública quanto à PEC 06/2919 são:
Aposentadoria policial com 55 anos para homens e 52 para mulheres, com regra de transição justa e equilibrada;
Paridade e integralidade para todos os policiais, independente da data da posse;
Manutenção do regime de pensão (salientando que os riscos que o policial corre, sua família também corre);
Mesmos benefícios que os militares estão se contemplando na reforma, já que a natureza do trabalho e os riscos são os mesmos.
Por último, os servidores afirma saber da necessidade de uma reforma previdenciária, mas que a mesma seja realizada após estudos mais técnicos e profundos e ouvidas todas as classes trabalhadoras, do serviço público e da iniciativa privada.