sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Os agentes socioeducativos de Minas Gerais podem registrar, a partir desta semana, mais oito tipos de ocorrências criminais que ocorram dentro dos centros de internação de jovens



Centros de internação de jovens de MG ganham mais autonomia no registro de ocorrências

por G1 MG, Belo Horizonte
Agentes socioeducativos de Minas Gerais (Foto: Gil Leonardi/Sesp) Agentes socioeducativos de Minas Gerais (Foto: Gil Leonardi/Sesp)

Os agentes socioeducativos de Minas Gerais podem registrar, a partir desta semana, mais oito tipos de ocorrências criminais que ocorram dentro dos centros de internação de jovens. A medida foi informada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), e amplia o serviço, que já foi implantado há quase um ano.
Desde novembro de 2016, os agentes podiam registrar crimes de ameaça, lesão corporal, desacato, tráfico de drogas, uso e consumo de drogas, posse e porte de arma de fogo (branca, de uso permitido ou restrito), dano ao patrimônio e facilitação de entrada de celular em estabelecimento prisional; desde que cometidos dentro das unidades de internação.
A partir desta semana, somam a lista de Registro de Eventos de Defesa Social (REDS) permitidos corrupção ativa, motim, tentativa de fuga, fuga, facilitação de fuga, revelação de segredos obtidos em razão do cargo, tentativas de autoextermínio, arrebatamento de pessoas com privação de liberdade e evasão mediante violência.

De acordo com a Sesp, a medida pretende gerar economia aos cofres públicos uma vez que cada ocorrência policial registrada demandava, anteriormente, o deslocamento de cerca de três policiais militares e uma viatura.
Houve treinamento dos servidores para o preenchimento das ocorrências. “Desde o início do projeto, 640 ocorrências foram registradas nas unidades socioeducativas do Estado. Desse total, 570 foram realizadas pelos agentes. Com a inserção das novas naturezas criminais, a expectativa é que esse número seja ampliado”, explica a nota da secretaria.


Nenhum comentário: